domingo, 27 de setembro de 2015

Survival Mode (Modo Sobrevivência): Paper Mario Sticker Star

 
Olá povo lindo que está vendo meu Blog, tudo bem? hoje eu lhes trago a minha crítica ao Paper Mario Sticker Star.
Paper Mario Sticker Star é o último jogo da série de Spin-Offs (não faz parte da história original) Paper Mario até agora é o primeiro da série a ser lançado para um console portátil da Nintendo. Ele foi bom mas não tanto quanto seus antecessores. Como será a qualidade do jogo? vamos descobrir.
O jogo começa com uma música que se você prestar atenção, você já ouviu de algum lugar (ou não), e essa música é bem parecida com uma música chamada Prelude In G-Major (talvez seja uma variação). Agora, sobre o visual do jogo, é até um visual bem legal (até rimou): os personagens são feitos de papel como o nome sugere (Paper Mario), num estilo Cartoon (desenho animado*),  veja a imagem abaixo

gostou ou não? comente nos comentários,óbvio,continuando...
agora vou falar sobre a jogabilidade: ao contrário de outros RPGs (sim o jogo é de RPG) ele não tem um mapa livre pra explorar, é apenas um mapa estilo Super Mario World onde você pode começar no mundo que você quiser procurando adesivos pra colar em um livro de adesivos sagrado usando adesivos pra batalhar - um sistema que não funcionou muito bem porque é assim: você pega um adesivo de seu livro pra atacar um inimigo, você não escolhe quem você quer atacar e depois de um turno o inimigo ataca e isso é uma desvantagem quando se tem mais de um inimigo, mas, não se preocupe, tem o Battle Spin, no qual você encara um jogo daqueles de cassino em que você tem que alinhar três imagens iguais e assim atacar mais de um inimigo, só que isso gasta dinheiro e quando você vai comprar um adesivo e você está com pouco dinheiro é um problemão. Vemos que o sistema de batalha não funciona muito bem, mas, sejamos francos, isso é uma explosão de criatividade. Tem adesivos de sapato pra pular, martelo pra martelar (óbvio), e uma porção de coisas, além de adesivos especiais que são objetos da vida real  muito fortes e atacam todos os inimigos, tem de tudo: de bodes, ventiladores a celulares até guitarras, fornos e bolas de boliche.  A dificuldade do jogo é bem fácil não tem nenhum desafio, agora chega de falar de jogabilidade.
Por último eu vou falar coisas sem entrar em detalhes sobre  a história e a trilha sonora, a história não é grande coisa, é apenas assim: estava rolando uma festa de adesivos até que Bowser chega e estraga a festa e  mais uma vez a princesa Peach é sequestrada e o nosso herói tem que recuperar os sagrados adesivos reais e salvar a princesa  com a ajuda de um adesivo em forma de coroa chamado Kersti. A trilha sonora é formada apenas por música instrumental de trompete, saxofone e outros instrumentos, chega de perder tempo e vamos aos prós e contras!
+ Visual legal 
+ Explosão de criatividade 
- O sistema de batalha não funciona muito bem 
- Muito fácil 
Nota Final: 
7.0 
 
Legal 
Resumindo: uma boa pegada ao universo de Paper Mario porém o sistema de batalha pode frustrar os jogadores mas até que vale a pena ter o jogo. 
Você concorda comigo ou você acha que a minha nota deveria ser maior ou menor? faça sua crítica e me surpreenda! tchau.

* falando em desenho animado vou fazer uma crítica a um desenho  do Discovery Kids, aguardem.
*

terça-feira, 22 de setembro de 2015

5 Curiosidade sobre Mario


 
Olá povo lindo que está vendo meu blog,tudo bem? quem é o personagem que está comemorando 30 anos este mês e ano? É O MARIO! isso mesmo é o Mario, aquele que... atrás do armário (desculpe, eu não quis te ofender). Para comemorar os 30 anos do personagem, vou citar curiosidades sobre seus jogos, que venham as curiosidades!
1: Como o Mario se chamou Mario?

O primeiro jogo que Mario apareceu ele não se chamava Mario e sim Jumpman e daí nos jogos posteriores os produtores quiseram colocar um nome com mais criatividade então se inspiraram em um cara que guardava o depósito da Nintendo of America
 
Mario Segale.

2: Dedo do meio e Champagne?
Aqui não vai ser o espaço para uma curiosidade e sim duas:
os cogumelinhos camaradas de Mario, os Toads, tem o seu lado sombrio que já foi mostrado no primeiro Mario, aquele clássico de NES (Nintendo Entertainment System)

eles mostram o dedo do meio,hmmmmm safadinhos (não é estranho ver isso na figura?) e agora a outra curiosidade: na versão japonesa de Super Mario Kart de Super Nintendo ou Super Famicom lá na terra do sol nascente, sabe qual é a comemoração da Peach e do Bowser?

eles enchem a cara de Champagne! isso mesmo! Champagne!
mas isso foi censurado na versão americana e talvez na européia.

3: Super Mario Maker = Mario Paint?

O mais recente jogo da franquia o Super Mario Maker, sim, aquele lá que você cria as suas próprias fases do bigodudo encanador, era para ser uma continuação de Mario Paint que é um jogo educativo que ensina as crianças a desenhar, e que você usa um mouse igual a este aqui na imagem abaixo

a ideia da continuação foi descartada,mas eles usaram essa ideia de criar as própria fases que até que ficou bem melhor.

4: Mario 3 é um teatro?
Algumas teorias e o próprio criador do Mario o grande Shigeru Miyamoto já confirmaram que Super Mario Bros 3 é uma peça de teatro e vamos aos fatos: primeiro o jogo começa com as cortinas se abrindo e o segundo fato é essa imagem abaixo

como podem ver as plataformas tem sobras no céu e também são pregadas
mas alguns teoristas falam que não é só próprio jogo que é um teatro e sim o universo inteiro do Mario, pronto já estraguei sua infância.

5: Peach é mãe de Rosalina?

Alguns fatos dizem que a mãe daquela mulher gatona do Super Mario Galaxy é a Peach, e a maior prova disso é em uma parte do jogo que você vê ela contando histórias de sua infância para as Lumas (é a raça dessa estrelinha aí na imagem), lendo a história nós vemos que ela perdeu a mãe e mostra uma imagem dela e vemos que ela é parecida com a Peach e daí surgiram teorias de que Peach é a mãe de Rosalina e Luigi é o pai dela.
Curtiram as curiosidades? então compartilhe-as para seus amigos e parentes e comente, tchau.

sábado, 19 de setembro de 2015

Survival Mode: Resident Evil 4 (PS2)


  

Olá povo lindo que está visualizando meu Blog, tudo bem? hoje, como eu lhes prometi, vou mostrar a minha crítica ao Resident Evil 4, versão de PS2.  
Resident Evil 4 é o sexto jogo da franquia Resident Evil,
é isso mesmo que você leu: sexto!
os dois últimos foram Resident Evil Code Veronica e Resident Evil Zero,
continuando, ele é o jogo mais xingado pelos fãs da franquia por ter saído fora dos padrões de terror com zumbis e ter virado um jogo de ação, mas mesmo assim ele foi o jogo que recebeu a nota mais alta da franquia
mas será que ele é bom? vamos descobrir.
Só pra avisar antes da crítica, o jogo é um Port, tipo assim, ele foi lançado pra um console e depois pra outro.
Nesse caso o jogo foi lançado pro Gamecube por que a Capcom tinha um contrato de exclusividade para que a série Resident Evil fosse lançada para os consoles da Nintendo, até que o contrato foi quebrado.
Agora chega de perder tempo e vamos à crítica.
Vamos direto ao início do jogo, o jogo começa com uma Cutscene (uma cena cinematográfica que ocorre em alguns jogos) do Leon que é o protagonista do jogo, e do Resident Evil 2, em um carro com dois policiais espanhóis

pois se você não sabe esse jogo se passa na Espanha heheh mi compañero
(chega de piadas escrotas com países). Continuando, até que ele para em uma casa
e nessa casa vemos que os gráficos são excelentes, pelo menos para a época de 2005

veja aí
não são só os gráficos que ficaram bem caprichados, a dublagem, as músicas e também a jogabilidade
começando pelas músicas, elas acompanham com perfeição o clima (cenário+ ambiente) do enredo.  Depois, a jogabilidade que está uma delícia por motivos que vou contar agora e esses motivos são: a própria mira que é a laser e que comparada com os outros jogos da série, que era manual, ou automática, nesse jogo aqui você nem precisa calcular muito a distância: você só precisa olhar para o laser e o outro e própria câmera que é muito boa e também por ter muita interação em tempo real. Já a dublagem é só jogar ou ver um vídeo de gameplay ou ouvir as frases irritantes da Ashley dizendo:

"Leooon! heeeeelp!,help me Leon! 
ou aquelas frases do mercante

"what are you buying?,what are you selling?,heheh thank you!
 chega de perder tempo e vamos aos prós e contras.

+ Gráficos e dublagem excelentes 
+ Trilha sonora climática 
+ Jogabilidade ótima com interação em tempo real 
+ Câmera boa
+ Desbloqueáveis bacanas 
+/- Modo Separate Ways 
- Quedas na Framerate (quadros de animação) no capítulo 5-4 e no modo The Mercenaries 

 Nota Final: 
9.5 
 
Maravilhoso 
Resumindo: mesmo que o jogo tenha saído fora dos padrões da franquia, é muito gostoso de jogar, é tão gostoso quanto sorvete, se é que você me entende, e vale a pena ter em sua coleção. 
Você concorda comigo? ou acha que a minha nota deveria ser maior ou menor? faça sua crítica e me surpreenda, só não quero ouvir mimimi dos Haters (odiadores saudosistas), tchau.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Aviso: A série Adventure Mode não vai continuar


 
Tá, tá, eu vou explicar porque eu desejo matar essa série, primeiro: eu acho que essa série vai ter um Feedback negativo (apesar de eu não saber o que é um Feedback), segundo: eu acho que seria uma perda de tempo fazer essa série e vai atrasar muito, terceiro: spoilers muitos spoilers, quarto: é a minha postagem menos vista: procure por Adventure Mode (Modo Aventura): Resident Evil 4 parte 1 e veja, quinto:todas as minhas outras postagens continuam aumentando as visualizações e essa não pronto, acabei, tchau. 
Bônus: 
 
Vai vir uma crítica ao Resident Evil 4, fique no aguardo.